Tipos de Cadeirinha para Atividade em Altura

Atividade em Altura

Atualmente existem vários modelos de cadeirinha para atividades verticais. Mas qual a diferença de cada um deles? Qual equipamento é o ideal para mim?

Para ficar mais fácil, vamos fazer um breve descritivo de cada tipo de cadeirinha - também chamada de baudrier ou arnês - quais são seus diferenciais, e quais são as principais atividades que cada modelo atende.

 

 

De que é feita uma cadeirinha para atividade em altura?

Antes de mais nada, vamos falar sobre o material utilizado para confeccionar cadeirinhas para atividades em altura e quais certificações existem para ela.

Uma cadeirinha para atividade em altura é feita basicamente de fitas planas de poliéster com alta tenacidade, ou seja, extremamente resistente. As fivelas, utilizadas para ajustar a cadeirinha ao corpo, são feitas em sua maioria de aço inox também muito resistente.

Já sobre as certificações para esse tipo de equipamento, existe o UIAA e o CE. UIAA é a certificação de que os equipamento foram testados em laboratório. A sigla significa União Internacional das Associações de Alpinismo. Teve sua origem na França e hoje é reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional como a entidade máxima a nível global quanto ao alpinismo.

CE é uma certificação europeia, que indica que o equipamento está em conformidade com a legislação da União Europeia, conhecido por EN (Normas Européias).

 

Qual a diferença do ajuste rápido para o comum em uma cadeirinha?

Além disso é importante falar sobre os dois principais tipos de ajuste (fivelas) que existem.

Geralmente, os modelos de baudriers possuem as opções de ajuste rápido ou ajuste comum, ficando a critério de cada um escolher a que considera melhor.

Na fivela de ajuste comum, após ajustá-la ao corpo, é necessário passar a fita no sentido contrário (transpassar a fita na fivela) para que o equipamento esteja seguro e não corra o risco de abrir.

Nesse tipo de fivela costuma vir escrito “perigo” ou “danger” no local em que a fita deve passar, para que você veja de forma mais fácil que há algo de errado caso esqueça de fazer o procedimento.

Por isso é fundamental a conferência de todo equipamento após se equipar. Peça para alguém conferir também o seu equipamento e confira o de quem está com você.

Já no outro modelo de fivela, conhecida por ajuste rápido, não é necessário o procedimento de voltar a fita por ela para ficar seguro. Basta ajustá-la ao corpo e usá-la de forma correta. A fita já está passada na fivela corretamente e sempre “travada”, sua fivela possui 2 partes que travam a fita.

 

Agora sim, vamos ao que interessa, os modelos de cadeirinhas:

  • Cadeirinha Simples de Fita

Esse modelo tem duas principais vantagens: Custo e leveza. É uma cadeirinha mais simples, confeccionada apenas com fitas e fivelas. A principal desvantagem desse modelo é a falta de conforto.

Para atividades em que a pessoa não ficará suspensa no equipamento por muito tempo, essa cadeirinha pode ser uma boa opção. Muito utilizada em arvorismo, escalada, tirolesa, rapel e circuitos de aventura

 

  • Cadeirinha Acolchoada

Nesse modelo de cadeirinha a principal vantagem é o conforto. A fita da cadeirinha é revestida com uma espuma, que geralmente é de EVA, melhorando o contato com o corpo. Não é uma cadeirinha muito leve, mas para atividades que essa diferença de peso não vá interferir vale à pena o pesinho a mais.

Um outro ponto que incomoda alguns usuários nesse tipo de cadeirinha é o fato de esquentar mais, por ter mais área de contato com o corpo. Pensando nisso, muitos fabricantes fazem modelos com tecido aerado, melhorando a transpiração e aliviando essa sensação.

A cadeirinha acolchoada também é indicada para arvorismo e rapel tirolesa e escalada esportiva.

Para diminuir o peso das cadeirinhas os fabricantes usam fivelas menores (menor peso) e fitas mais finas em locais que não terá muito pressão no corpo, como por exemplo na parte de cima da coxa.

 

  • Cadeirinha Para Espeleologia

Esse é um modelo mais específico. É um equipamento simplificado e com menos volume, pensado para evitar de agarrar em ambientes mais estreitos.

O vertical na espeleologia está relacionado ao rapel, a ascensão e a tirolesa, técnicas usadas na exploração de cavernas

Além da segurança de não agarrar em objetos e rochas, essa cadeirinha é uma das mais leves encontradas, tendo apenas o essencial para a prática de espeleologia

 

  • Cadeirinha Para Canionismo

Mais um modelo específico, a cadeirinha para canionismo possui um assento na parte de trás. Esse assento, é na verdade um protetor para o equipamento. Dessa forma, evita-se o contato direto da fita com pedras e objetos.  Mas, sempre que necessário esse assento pode ser removido

Também é um equipamento mais leve, mas a proteção acaba dando mais volume e peso à cadeirinha.

Algumas cadeirinhas de fitas podem ser adaptadas com um “fraldão” para serem usadas no canionismo.

 

  • Cadeirinha com Peitoral ou Cinto 5 pontos

Por último, vamos citar um modelo muito conhecido por quem realiza trabalho em altura. A cadeirinha com peitoral ou cinto 5 pontos de trabalho em altura, é ideal para atividades em que há a possibilidade do usuário virar de cabeça para baixo e “escorregar” pelo equipamento, se desprendendo do mesmo.

Por esse motivo ela é utilizada principalmente nas funções que levam em seu nome: resgate em altura e trabalho em altura. Mas também pode ser utilizada na prática de esportes de aventura, como tirolesas e circuitos de aventura.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Por favor aguarde...